#Carnaval Sem Assédio
1 março

#Carnaval Sem Assédio

Carnaval é tempo de festa, de ocupar a cidade com música, dança e alegria. Mas é também tempo de enfrentar o assédio, de fazer entender que “não é não”.

Resultado de imagem para não é não carnavalVeja abaixo alguns exemplos do que é a prática do assédio:

  • Beijar uma mulher à força/sem pedir permissão: assédio. Mais do que isso, é considerado estupro pela lei de 2009.
  • Chegar junto e tentar puxar conversa:é paquera até o momento em que a mulher diz não. Quando ela nega as investidas, tudo que acontecer imediatamente depois é assédio.
  • Chamar uma mulher desconhecida de ‘gostosa’, ‘linda’, ‘delícia’:assédio.
  • Xingar uma mulher que nega suas investidas: assédio.
  • Puxar pelo braço ou pelo cabelo:assédio.
  • Troca de olhares e sorrisos (de ambas as partes) até chegar ao beijo: 
  • Quando uma mulher desvia o olhar:ela está dizendo ‘não’. Se o outro lado continuar insistindo, é assédio.
  • Encostar demais em uma mulher, roçar o corpo na mulher sem autorização para isso:assédio.
  • Colocar a mão por baixo da roupa de uma mulher/ tocar as partes do corpo de uma mulher, sem consentimento: assédio. Pode, inclusive, ser estupro.
  • Quando uma mulher está bêbada demais para consentir: mais do que assédio, é considerado também estupro de vulnerável.

Importunação Sexual

Este é o primeiro carnaval após a aprovação da lei que tipifica importunação sexual como crime. Beijo roubado ou forçado, passar a mão, “encoxar”, fazer cantadas invasivas são alguns dos atos considerados importunação sexual, A pena é de reclusão de 1 a 5 anos se o ato não constitui crime mais grave.